Número de gestoras de recurso cresce 17% em dois anos no Brasil

24/9/2014

Gestão de Recursos/Reportagens/Temas / 25 de setembro de 2014
Por 


Em janeiro de 2012, 551 gestoras eram signatárias do código de fundos de investimento da Associação Brasileira das Entidades do Mercado Financeiro e de Capitais (Anbima). De lá até setembro deste ano, houve uma expansão de 17%: o número atingiu 647. E muitas dessas instituições não são ligadas a grandes bancos. O crescimento das gestoras independentes é o sintoma de um segmento altamente promissor. Embora estejamos bem atrás dos americanos, por exemplo — eles possuem US$ 17,05 trilhões (cerca de R$ 40,8 trilhões) sob gestão; o Brasil, R$ 2,47 trilhões —, a evolução é considerável. Entre o fim de 2010 e o fim de 2013, o volume de recursos geridos em fundos no Brasil cresceu 54,3%.

De olho nesse filão também estão as gestoras estrangeiras, de que é exemplo a escocesa Aberdeen. Ela inaugurou sua sede brasileira em 2009, mas até o ano passado se dedicava apenas a gerir ativos brasileiros de seus fundos estrangeiros. Em 2014, a despeito do cenário econômico pouco convidativo, decidiu lançar dois fundos locais. Já a gestora americana NCH Capital, fundada em 1993, abriu um escritório no Rio de Janeiro em 2012 e, em maio deste ano, um fundo de ações. Em breve, também pretende lançar um veículo de investimento para gerir recebíveis imobiliários. “Nossa aposta é que o Brasil vai desenvolver uma cultura de investimento em ações bem mais forte que a atual. Há espaço para mais gestoras”, diz James Gulbrandsen, gerente de portfólio da NCH no Brasil.

Leia mais na edição de novembro.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  gestão de recursos CAPITAL ABERTO mercado de capitais Aberdeen NCH Capital James Gulbrandsen asset Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Missão delicada
Próxima matéria
1º Fórum Nacional “Fontes de financiamento para o Agronegócio: tendências e alternativas"



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Missão delicada
Fusão e aquisição? Na dúvida, é melhor ser transparente Risco de vazamento de informações de M&A é grande....