Apimec aplica primeiras multas a analistas

A Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais (Apimec) começou a mostrar o seu lado xerife: emitiu as primeiras multas na função de autorreguladora dos analistas. Oito instituições foram punidas por terem divulgado um relatório de análise sem arquivá-lo na Apimec …



A Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais (Apimec) começou a mostrar o seu lado xerife: emitiu as primeiras multas na função de autorreguladora dos analistas. Oito instituições foram punidas por terem divulgado um relatório de análise sem arquivá-lo na Apimec ou entregado o material à associação com atraso. No total, as multas somaram R$ 15 mil. Foram enviadas oito cartas de recomendação com alertas sobre falhas na elaboração de disclaimers.

A Apimec também expediu suas primeiras deliberações interpretativas. Elas tratam de pontos que, embora já regulados, geram consultas à associação. A primeira delas refere-se à confecção de relatórios sobre emissores em processo de oferta pública intermediada pela mesma instituição que emprega o analista. Nesse caso, a orientação da Apimec é o simples arquivamento do relatório em sua área de supervisão, além do depósito do material na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), já determinado pela Instrução 400.

O esclarecimento é um estímulo para que os analistas não deixem de lado a redação dos relatórios de companhias em processo de oferta pública. É comum os profissionais das instituições que coordenam as emissões não divulgarem suas análises devido às orientações da Instrução 400. A norma exige que sejam esclarecidas as ligações do analista com o emissor e com a operação. No entanto, não há vetos à publicação dos relatórios.

A decisão sobre a deliberação usou como referência a oferta de R$ 120 bilhões feita pela Petrobras, em 2010. Em razão do porte da operação e do número de bancos envolvidos, os analistas que cobrem a companhia preferiram não divulgar relatórios, deixando a empresa praticamente sem cobertura. “É uma assimetria o investidor ficar sem informações em eventos desse tipo”, afirma Vinícius Corrêa e Sá, superintendente de supervisão da Apimec.

A associação elaborou ainda uma interpretação a respeito dos relatórios de análise não divulgados ao público. Nesse caso, o analista fica dispensado de submeter o material à supervisão da entidade. Uma terceira deliberação, sobre relatórios referentes a emissões realizadas conforme a Instrução 476, está em análise conjunta com a CVM. Segundo Corrêa e Sá, essas ofertas, que se distinguem pelos esforços restritos de venda, costumam gerar pareceres equiparáveis aos relatórios de análise tradicionais. “Inclusive com recomendação de compra”, observa.


Quer continuar lendo? hoje

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Autoregulação Apimec relatório de análise Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Hedge funds descortinados
Próxima matéria
Fundos estruturados terão registro automático na CVM



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Hedge funds descortinados
O termo hedge é definido no Michaelis como “resguardar-se, minimizar o risco”. Estranhamente, é usado para descrever...