Uma década depois da crise de 2008, pouca coisa mudou nos conselhos de bancos

Estudo mostra que ainda existe baixa diversidade e falta de conhecimento nos boards

Governança Corporativa/Internacional / 22 de fevereiro de 2019
Por 


Uma década depois da crise de 2008, pouca coisa mudou nos conselhos de bancos

Ilustração: Rodrigo Auada

A gigante crise econômica global iniciada em 2008 mostrou que os bancos estavam tomando riscos altos demais, em detrimento da segurança financeira de seus clientes. Evidenciou também que os conselhos de administração de várias dessas instituições tinham sérios problemas. Na época, muitos especialistas indicaram possíveis soluções, que parecem não terem sido adotadas. Pelo menos é o que sugere um estudo de acadêmicos da Columbia Business School, que analisou 97 bancos, comparando-os a 1.297 empresas de outros setores, com dados do período de 2007 a 2015.

Uma das questões identificadas como causa da crise era a baixa diversidade de conhecimentos e perspectivas dos conselhos; outra era a falta de noção dos membros do board sobre as atividades da empresa. O estudo mostrou que, em 2011, dois terços das pessoas que estavam nos conselhos em 2007 continuavam na mesma posição, e que as instituições bancárias não haviam apostado em mais diversidade cultural e de gênero do que as outras empresas.

 

 
 

 

O que de fato mudou de lá para cá é que todos os bancos passaram a ter um CRO — um executivo responsável por avaliar e administrar riscos. Mas é muito comum que esses diretores não estejam entre os cinco mais bem remunerados nessas empresas — em geral, quanto maior o salário, mais poder de fato o executivo tem na hora de decidir os rumos da companhia.


Leia também

Investidores comemoram fim de intervenção em Freddie Mac e Fannie Mae

Califórnia cria cota para mulheres nos conselhos

Diversidade, um preceito ético 


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  conselho de administração diversidade nos conselhos crise econômica Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Cadê o imposto da Amazon?
Próxima matéria
Deliberação da CVM flexibiliza regras para ofertas públicas



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Cadê o imposto da Amazon?
As grandes corporações americanas são objeto de escrutínio nas redes sociais há um bom tempo, e a Amazon vem sendo...