Caso Olympus expõe fraqueza dos conselhos no Japão

O termo governança corporativa anda dando arrepios nos reguladores japoneses. Um escândalo financeiro envolvendo a fabricante de câmeras e equipamentos de precisão Olympus expôs, claramente, as fraquezas do país nessa área. Tudo começou em outubro, quando o então presidente da empresa, Michael …



O termo governança corporativa anda dando arrepios nos reguladores japoneses. Um escândalo financeiro envolvendo a fabricante de câmeras e equipamentos de precisão Olympus expôs, claramente, as fraquezas do país nessa área. Tudo começou em outubro, quando o então presidente da empresa, Michael Woodford, foi demitido. O afastamento, conforme a Olympus, estaria ligado ao estilo de gestão do executivo, que não combinava com o da companhia, mas não foi isso que Woodford disse à imprensa internacional.

Ele declarou que sua demissão ocorreu após enviar ao presidente do conselho de administração, Tsuyoshi Kikukawa, uma carta mencionando “uma série de erros calamitosos e julgamentos excepcionalmente falhos” feitos pela administração anterior, que resultaram em “perda no valor das ações de US$ 1,3 bilhão”. Dentre os equívocos cometidos, estaria o pagamento de US$ 687 milhões a consultores na compra da produtora de equipamentos médicos Gyrus, o equivalente a cerca de 36% do valor da transação. Posteriormente às denúncias, Kikukawa que, inicialmente, negou as acusações, renunciou ao cargo.

De acordo com a consultoria GovernanceMetrics International (GMI), o episódio mostrou a ineficiência do board da Olympus em supervisionar, de forma independente, a diretoria em nome dos acionistas — situação que pode, segundo a GMI, estar acontecendo também em outras companhias nipônicas. Dados da consultoria revelam que apenas 3% das maiores empresas de capital aberto japonesas têm conselhos majoritariamente compostos de independentes. O percentual médio desses membros nos boards não costuma ultrapassar 20% — um dos motivos pelos quais, num ranking de governança de 38 países divulgado pela GMI, o Japão aparece em 33º lugar, atrás, inclusive, de Rússia e China.

No caso da Olympus, afirma a GMI, dos 14 conselheiros, apenas três eram independentes. Nenhum dos integrantes do trio tinha experiência na indústria de eletrônicos ou conhecimento sobre gestão de risco.


Quer continuar lendo? hoje

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  mercado internacional Governança Corporativa Ásia Olympus Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Bolsa da Arábia Saudita busca atrair estrangeiros
Próxima matéria
Honorário do auditor em alta pode ser sinal de problemas



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Bolsa da Arábia Saudita busca atrair estrangeiros
A Bolsa de Valores da Arábia Saudita (Tadawul) pode, em breve, abrir as portas para os investidores estrangeiros. O movimento,...