Fundos de private equity americanos têm oportunidades de saída excelentes em 2014

12/11/2014

Gestão de Recursos/Internacional / 12 de novembro de 2014
Por 


richburgerNo segundo trimestre, fundos de private equity americanos venderam 241 empresas, totalizando US$ 83,7 bilhões de dólares. É um aumento considerável em comparação com o mesmo período de 2013, quando 158 companhias foram vendidas por um total de US$ 36,7 bilhões. Logo após a crise de 2008, no primeiro trimestre do ano seguinte o mercado americano viu apenas 76 saídas, que movimentaram singelos US$ 5 bilhões: sinal de que, para os fundos de private equity, a recessão ficou para trás.

O escritório de advocacia White & Case, responsável pela pesquisa, acredita que nunca houve uma época tão boa para os fundos de private equity desinvestirem, vendendo as companhias de seus portfólios. Não apenas os valores são bons, mas os termos de contrato favorecem cada vez mais os vendedores. Entre os principais fatores por trás do bom momento está o desempenho positivo dos fundos de private equity. Muitas das companhias que estão sendo vendidas agora a valores altos foram compradas durante a crise, quando o preço dos ativos despencou.

Além disso, aumentou o número de potenciais compradores, assim como o capital disponível para operações de M&A por parte de companhias e investidores. Grandes empresas não financeiras dos Estados Unidos, que dispõem de US$ 1,8 trilhões em ativos líquidos, começaram a gastar esse dinheiro em aquisições. No primeiro semestre de 2014, 284 empresas saíram do portfólio de firmas de private equity e foram vendidas para companhias maiores, totalizando US$ 105,7 bilhões em negócios — em 2013 o número de operações do tipo foi algo abaixo (215) e o volume total foi muito menor: US$ 42,9 bilhões.”Grandes empresas estão interessadas nas médias. Elas têm dinheiro à disposição, estão confiantes na economia, e seus acionistas querem vê-las voltar a crescer”, diz Carolyn Vardi, sócia da área de M&A do White & Case.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  fusões e aquisições private equity Estados Unidos CAPITAL ABERTO mercado de capitais M&A White and Case Carolyn Vardi Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Colegiado pode se dividir mais uma vez, ao julgar eleições do conselho da Petrobras
Próxima matéria
Projeto que prevê tributação de dividendos caminha na Câmara



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Colegiado pode se dividir mais uma vez, ao julgar eleições do conselho da Petrobras
Ficou para o dia 2 de dezembro o julgamento em que a CVM cravará se houve irregularidade nas eleições do conselho de administração...