Fácil falar, difícil fazer

Ex-executivo da P&G sugere que empresas pensem como fundos de venture capital



Ilustração: Rodrigo Auada

Como correr riscos dentro de grandes corporações sem arriscar demais o dinheiro dos acionistas? Jim Stengle, ex-executivo da Procter & Gamble e autor de livros de negócios, diz que é preciso agir como um fundo de venture capital: investir um pouco em várias ideias diferentes e desenvolver as que dão mais certo. Mas ele sugere cuidado, já que é fácil falar e difícil fazer. Stengle deu o conselho em uma conversa com a executiva da GE Beth Comstock, que postou o vídeo em seu LinkedIn. “Esse é um desafio também para a maioria das startups, cujos fundadores posam como se fossem os novos Steve Jobs e acham que sabem melhor que seus clientes em potencial o que eles precisam, em vez de testar e corrigir,” comentou um seguidor de Comstock.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  gestão de recursos n@ web P&G Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Cinco mantras
Próxima matéria
Fora do pódio



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Cinco mantras
  O que poderia ser menos aconselhável do que abrir uma gestora de fundos de ações em outubro de 2008? Um mês...