Comitê cria regras brasileiras para a linguagem XBRL

O trabalho do comitê formado para fazer decolar a comunicação eletrônica de dados corporativos no País está próximo do fim. O grupo elaborou as regras brasileiras para o padrão Extensible Business Reporting Language (XBRL) e as enviará para apreciação da XBRL International, responsável pela …



O trabalho do comitê formado para fazer decolar a comunicação eletrônica de dados corporativos no País está próximo do fim. O grupo elaborou as regras brasileiras para o padrão Extensible Business Reporting Language (XBRL) e as enviará para apreciação da XBRL International, responsável pela normatização internacional da linguagem. Após análise e aprovação da instituição — processo que deve demorar de 30 a 60 dias —, existirá um marco regulatório para a implantação do modelo no Brasil.

A linguagem XBRL surgiu em 1998 com a promessa de facilitar a vida de quem tem a espinhosa tarefa de analisar os dados financeiros das empresas. Ela classifica cada linha das demonstrações financeiras com uma “tag”, de modo que essas informações sejam lidas pelos softwares, evitando o trabalho de redigitar os dados. Ao rodar um documento XBRL, os computadores podem apresentar essas informações das mais variadas formas e compará-las com outros balanços formatados na mesma linguagem, prestando um valioso serviço a analistas e investidores. Lá fora, o XBRL deu tão certo que a Securities and Exchange Commission (SEC) tornou-o obrigatório para as empresas norte-americanas no fim de 2008. Por aqui, a falta de uma taxonomia — sistema de classificação — das informações contábeis não colaborou para sua disseminação.

O objetivo do Comitê Estratégico do Projeto XBRL, formado no segundo semestre de 2010 por instituições como o Conselho Federal de Contabilidade (CFC), BM&FBovespa, Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e Instituto dos Auditores Independentes do Brasil (Ibracon), foi criar esse sistema de classificação para a contabilidade brasileira. “A tendência é o XBRL ser adotado pelas companhias. A comparação com concorrentes e a análise interna ficará mais ágil”, acredita Evandro Carreras, sócio da auditoria PwC e membro do comitê.

Apesar dos avanços, a CVM não sinalizou se vai tornar o uso da linguagem eletrônica obrigatório pelas companhias. Através de sua assessoria, a autarquia limitou-se a dizer que “estuda o desenvolvimento de ferramentas que propiciem a utilização dessa linguagem, sem a imposição de custos desnecessários aos emissores”.


Quer continuar lendo? hoje

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Contabilidade e Auditoria Divulgação de Resultados Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Cresce número de pedidos de interrupção de assembleias
Próxima matéria
SEC adverte: fusões reversas são perigosas



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Cresce número de pedidos de interrupção de assembleias
As assembleias de acionistas de oito companhias estiveram na berlinda na última temporada. De acordo com as informações...