Petrobras e o futuro

12/1/2015

Sem categoria / 12 de janeiro de 2015
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Alexandre Póvoa*/ Ilustração: Julia Padula

Todo o imbróglio envolvendo Petrobras assusta. O mercado brasileiro debateu durante anos a questão da eficiência das empresas em ambientes competitivos e da importância da governança corporativa. A própria revista CAPITAL ABERTO abriu enormes espaços para esses assuntos em suas edições e em seminários.

Os números assustam ainda mais. Queda da cotação de, simplesmente, 73% em dólares (57% em reais) no período entre 2011 e 2014. Uma destruição de valor da magnitude de R$ 250 bilhões, correspondente a aproximadamente 1,5% de todo o PIB brasileiro acumulado nos quatro anos. Vide abaixo o comparativo do desempenho da ação da Petrobras vis-à-vis ao de seus pares internacionais. Cabe ressaltar que, evidentemente, as empresas não são exatamente iguais na composição de sua produção de petróleo, derivados e substitutos, mas são obviamente comparáveis na essência.

Desempenho acionário recente das grandes petrolíferas mundiais

print1A tabela mostra que nem as empresas Gazprom e Lukoil — localizadas num país muito dependente do petróleo, como a Rússia, que passou por violenta desvalorização da moeda e contração da economia — sofreram perdas tão relevantes.

As demais europeias (BP e Shell) conseguiram decente valorização mesmo em cenário adverso. O grande destaque ficou por conta da alta dos papéis de companhias americanas, como Exxon e Chevron, que subiram 40% mesmo diante de uma perda de 39% no preço de seu principal produto, o barril tipo Brent. A empresa chinesa Petrochina manteve o seu valor de mercado em dólares.

O desempenho das ações da Petrobras já vinha aquém da média do setor há muito tempo. Durante os primeiros anos, a combinação de receitas e má gestão trouxe queda nos lucros da empresa: política de preços em desalinho com o mercado internacional (queima de caixa na venda de óleo importado estimada em R$ 60 bilhões em quatro anos), somada a altos investimentos físicos para expansão e baixa produtividade (apesar de tudo, o aumento do ritmo de produção sempre foi insatisfatório).

No último trimestre de 2014, porém, ocorreu a tempestade perfeita: a revelação de um enorme escândalo de corrupção, a recusa da auditoria independente em assinar o balanço da empresa e abertura de processos por investidores americanos contra a companhia. Tudo isso em meio a uma inesperada queda de aproximadamente 40% no preço do petróleo no período. Apesar da queda violenta nas cotações, a demanda pelo papel da Petrobras continua deprimida, por conta dos desdobramentos imprevisíveis e da reação virtualmente inexistente do governo para sinalizar uma direção positiva ao mercado — como, por exemplo, mudanças no alto escalão e/ou no conselho de administração. Sem trocadilhos, gasolina e pólvora juntas: mercado de petróleo despencando + situação frágil de confiança na empresa = queda de 45% em reais no valor das ações. A queda, dessa vez, foi seguida pelas companhias de óleo do mundo, mas em magnitude muito menor do que o observado no caso da Petrobras.

Constatar que o preço da ação caiu muito é um fato. Dizer que ela está barata e vale a pena comprá-la ainda é uma aposta. É preciso que, o quanto antes, alguém acenda o holofote sobre o futuro da empresa para podermos entender o comportamento futuro dos dois fatores que trazem valor a qualquer companhia: eficiência (mais fundamental com o petróleo a US$ 50 o barril) e governança corporativa. Quem se arrisca?


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Governança Petrobras CAPITAL ABERTO mercado de capitais PetroChina Exxon Mobil Chevron petróleo Gazprom confiança British Petroleum cotação Lukoil Shell Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Diretor da CVM chinesa é investigado por corrupção
Próxima matéria
Companhias em que o CEO possui ações registram bom desempenho



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Diretor da CVM chinesa é investigado por corrupção
A Comissão de Disciplina da China, criada para combater a corrupção no país, está investigando Li Liang, membro do regulador...