Hedge de fluxo de caixa: novo diferimento de variações cambiais?

10/09/2013



Eliseu Martins*/ Ilustração: Julia Padula

Vivenciamos há poucos dias grande discussão,  inclusive na imprensa escrita, sobre a política de hedge de fluxo de caixa da Petrobras aplicada às variações de câmbio de suas dívidas em moeda estrangeira. Essa política muitíssimo se assemelha, em alguns aspectos, ao velho diferimento das variações cambiais, tão enraivecidamente refutado à época por auditores, analistas, acadêmicos etc., mas mais de uma vez aceito, por imposição legal.

Há, todavia, pelo menos duas grandes diferenças. A primeira delas é que, nas atuais normas contábeis brasileiras e internacionais, essa espécie de diferimento só é permitida para quem comprovar que tem condições de contrapor à despesa de variação cambial de hoje um acréscimo na receita de amanhã como efeito dessa mesma mutação no câmbio — nas suas exportações, por exemplo. Assim, quem não provar que realmente está tendo apenas uma diferença temporal de duas consequências que se contrapõem e que se originam do mesmo fato, está proibido de aplicar o diferimento.

A segunda diferença é que o valor dessa despesa diferida reduz, sim, imediatamente, o patrimônio líquido, enquanto no passado era ativada (ativo diferido, mas ainda assim ativo).

Portanto, na essência a nova norma, válida desde 2010, tem efetivamente substância econômica e é aplicada de forma muito mais adequada. A dúvida que pode persistir é: por que a Petrobras demorou tanto para aplicá-la?


Quer continuar lendo? hoje

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Petrobras CAPITAL ABERTO mercado de capitais hedge normas contábeis câmbio patrimônio diferimento fluxo de caixa variações cambiais Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Workshop - Como mercado de capitais ajuda empresas a se tornarem mais competitivas?
Próxima matéria
Instrução Normativa 1397: essa doeu - Parte I



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Workshop - Como mercado de capitais ajuda empresas a se tornarem mais competitivas?
  Participe de workshop dia 03/10 e tenha uma prévia de como será o curso “Mercado de Capitais no Brasil na prática”,...