Investigação de Musk pela SEC repercute nas redes sociais

Já tem escritório de advocacia anunciando ação coletiva contra o empresário

Companhias abertas/N@ Web / 17 de agosto de 2018
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Na semana retrasada, Elon Musk causou furor ao anunciar em seu Twitter pessoal que pretendia tornar a fabricante de carros elétricos Tesla uma empresa de capital fechado, e que tinha dinheiro para a empreitada. O anúncio, por si só, foi irregular, pois a Securities and Exchange Commission (SEC) só permite que fatos relevantes sejam divulgados por meio de mídias sociais se empresa tiver deixado essa possibilidade clara aos investidores — o que não era o caso. Mas não foi por esse motivo que Musk entrou na mira do regulador do mercado de capitais americano: a SEC quer saber se ele tem mesmo os recursos para tornar a empresa privada ou se seu anúncio foi apenas uma tática para manipular o mercado.

Como tudo que envolve a Tesla, o assunto repercutiu. O escritório de advocacia Hagens Berman, especializado em class actions, usou seu perfil institucional no Twitter para avisar que vai processar a empresa — o objetivo é atrair mais investidores que se consideram prejudicados pelo tuíte de Musk a fazer parte da ação coletiva. O escrutínio da SEC estimulou short sellers a apostar contra a empresa, provocando volatilidade na cotação das ações. “A SEC deveria investigar esses investidores por manipulação também”, reclamou um usuário da rede social, lamentando que a empresa tenha que gastar tempo para resolver esse imbróglio em que Musk a colocou, em vez de se concentrar no desenvolvimento de produtos.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Crowdfunding precisa de mercado secundário
Próxima matéria
Pesquisa detalha comportamento de investidores ESG



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
Crowdfunding precisa de mercado secundário
Hoje o maior desafio para a disseminação do crowdfunding de investimento no Brasil é a liquidez. Pesquisa da CVM mostra...