Feliz 2016

Começamos o ano com a mais dolorosa previsão dos últimos tempos. A tempestade política não dá sinais de quando irá arrefecer. O desemprego tende a se agravar com temida rapidez. As estimativas de queda do PIB atingem inacreditáveis 7%, se não mais, para o biênio 2015/2016. As altas dos juros nos …



Começamos o ano com a mais dolorosa previsão dos últimos tempos. A tempestade política não dá sinais de quando irá arrefecer. O desemprego tende a se agravar com temida rapidez. As estimativas de queda do PIB atingem inacreditáveis 7%, se não mais, para o biênio 2015/2016. As altas dos juros nos Estados Unidos e no Brasil, somadas ao baixo preço das commodities no mercado internacional, contribuem para manter os motores da economia em baixa rotação. O clima é de espera da próxima notícia ruim: o rebaixamento do rating do Brasil pela Moody´s; o rearranjo político que paralisará ainda mais o Executivo; a canetada displicente que aprofundará a vala fiscal. Pena não existir um voo sem escalas para 2017. A única opção parece ser dirigir devagar pelas estradas esburacadas deste ano.

No trajeto, entretanto, vale ficar atento: oportunidades surgirão para quem estiver disposto a chegar mais forte ao ano seguinte. No âmbito das empresas, este pode ser um bom momento para enxugar as poças de ineficiência que sobraram; repensar modelos de negócio e buscar soluções criativas; adquirir ativos antes impensáveis ou mesmo recomprar aqueles que um dia foram vendidos a peso de ouro; usar a solidez financeira para diferenciar-se aos olhos dos investidores e captar recursos a boas taxas. Instrumentos e alguma flexibilidade para isso estão na mesa, como mostram as reportagens desta edição sobre a Instrução 476 e os certificados do agronegócio.

É também um bom tempo para fazer reparos no ambiente microeconômico. Projetos de lei trazem propostas para acabar com a gestão política das empresas estatais. A lei de recuperação judicial é testada em cenário de uso intensivo, abrindo espaço para ajustes convenientes. Escândalos suscitam a relevância de uma cultura ética e de um sistema de compliance que funcione nas organizações. Balanços financeiros com problemas resgatam as discussões sobre a atuação dos auditores, como explora reportagem “Tudo explicado”. Práticas de governança poderão ser repensadas na reforma dos níveis diferenciados de listagem planejada pela BM&FBovespa.

No ambiente macro, tudo indica que as políticas públicas irresponsáveis e seus efeitos perversos no longo prazo continuarão a ser desmascarados. Da mesma forma, alianças políticas e comerciais corruptas serão investigadas e, provavelmente, punidas, assim como seus autores. Pensando por esse lado, talvez o voo direto para 2017 não seja uma boa alternativa. O ano de 2016 poderá aparecer melhor na história do que em nossos pesadelos atuais.


Quer continuar lendo? hoje

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Entendimento do STJ simplifica due diligence de imóveis
Próxima matéria
O maravilhoso Parque dos Pedalinhos



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
Entendimento do STJ simplifica due diligence de imóveis
Seja pela prática de mercado ou por normas de compliance de instituições financeiras, não há como fugir da due diligence...