A ordem é concentrar

Ao embarcar nesta edição o leitor logo notará o tom de desânimo. São os fatos, infelizmente. A começar pela matéria de Bruna Maia, sobre fechamentos de capital. Enquanto o resto do mundo esbanja apetite para captar recursos com ofertas de ações, o mercado de capitais brasileiro mantém-se estático. …



Ao embarcar nesta edição o leitor logo notará o tom de desânimo. São os fatos, infelizmente. A começar pela matéria de Bruna Maia, sobre fechamentos de capital. Enquanto o resto do mundo esbanja apetite para captar recursos com ofertas de ações, o mercado de capitais brasileiro mantém-se estático. Diante da pouca visibilidade sobre os rumos da economia, emissores e investidores não convergem sobre o denominador comum que lhes permite selar negócio: o preço dos ativos. O resultado é não apenas a ausência de novas captações, como o impulso dos emissores para recomprar os próprios papéis e sair da bolsa, sem muito alarde.

O fenômeno se repete no âmbito dos fundos imobiliários, conforme mostra a reportagem de Luciana Del Caro. Rebaixadas pela mesma alavanca que na outra ponta faz subir a taxa de juros, as cotas desses fundos já não mais refletem o valor dos imóveis que as lastreia. A distorção aguça a criatividade dos investidores, que veem nela a oportunidade de fazer dinheiro líquido e certo. Por que não tomar o controle do fundo para, de posse das decisões, vender o imóvel-lastro e embolsar a diferença? Aparentemente, a bolsa não está conferindo aos ativos o seu devido valor, o que leva os agentes a preferirem ficar fora dela. Essa não é uma boa notícia.

Mas será que há um pessimismo exagerado? Muitos dizem que sim; alguns poucos confessam que não. Na seção Antítese deste mês, opusemos dois gestores de recursos respondendo a essa pergunta. De um lado, a visão de que o pior já passou; do outro, a de que as mazelas da economia corroerão ainda mais os preços. No pano de fundo, a crise da Petrobras, a estagnação provocada por Copa e eleições, os problemas de infraestrutura, a inflação pressionada e o estrangulamento fiscal.

O contexto de incertezas e preços baixos é um celeiro para as brigas entre acionistas controladores e investidores. Na capa desta edição, mais uma história de duelo societário com as minorias, neste caso para resgatar o status de poder que havia sido perdido pelo controlador da Forjas Taurus ao dispersar o capital da companhia. Assim como no movimento de saída das empresas da bolsa ou de tomada de controle dos fundos imobiliários, o impulso é no sentido de concentrar. A dúvida é o quanto essas intenções podem fazer retroceder os avanços dos últimos anos.


Quer continuar lendo? hoje

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CAPITAL ABERTO mercado de capitais Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
De saída
Próxima matéria
Intromissão adequada?



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
De saída
É difícil imaginar um jeito mais melancólico de comemorar a mais bem-sucedida década de aberturas de capital no Brasil....