Bakkt busca atrair investidor institucional de bitcoin

Ambiente de negócios oferecido pela empresa, do grupo ICE, pretende contornar barreira da baixa liquidez

Captação de recursos/Artigo / 14 de novembro de 2019
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


*Carlos Russo | Ilustração: Julia Padula

Os mercados de ativos digitais são hoje globais e bastante desenvolvidos, mas foram projetados para atender clientes de varejo — e não investidores institucionais. Dentre as reclamações dos que têm maior capacidade para fazer aportes financeiros em criptoativos estão falta de liquidez, regulamentação insuficiente e questões relacionadas a confiabilidade, taxas e riscos operacionais.

No final do último mês de setembro, passou a funcionar o ambiente de negociação da Bakkt, em que estão disponíveis contratos futuros com entregas físicas de bitcoins. Controlada pela Intercontinental Exchange (ICE), dona da New York Stock Exchange (NYSE), a Bakkt pretende fornecer um ecossistema confiável para os participantes do mercado, estabelecendo padrões e procedimentos de nível internacional e já adotados em outros mercados financeiros regulados tradicionais.

Após uma grande expectativa e um atraso em relação à previsão de inicial de funcionamento (o final do ano passado), a Bakkt fechou sua primeira execução de ordem na bolsa de futuros da ICE a um preço de 10,115 dólares, conforme informou a empresa em um post no Twitter. Diferentemente da concorrente CME Group, que lançou contratos futuros em dezembro de 2017 com liquidação financeira das posições, a Bakkt faz o pagamento em bitcoins. Ocorre que o início das operações deixou a desejar. Na primeira semana, o volume acabou ficando bem abaixo do imaginado, não ultrapassando 1 milhão de dólares por dia. Como comparação, a BitMex, a maior exchange de futuros de criptoativos do mundo, transaciona um volume diário superior a 1 bilhão de dólares.

Evidentemente, é preciso aguardar os primeiros meses de funcionamento da Bakkt para se observar se o mercado vai gerar a liquidez necessária para o sucesso da iniciativa. Mas não se pode esquecer de que a primeira bolsa de contratos futuros de bitcoins, criada pela Chicago Board Options Exchange (CBOE) em 2017, foi encerrada em junho deste ano, exatamente por falta de movimentação. A liquidez é o que leva os investidores institucionais a procurar por exchanges menos reguladas, reduzindo seus custos operacionais, mesmo que isso gere potenciais riscos.

Para a iniciativa não padecer de falta de liquidez e crescer entre os investidores institucionais, os desenvolvedores da Bakkt apostam num diferencial em relação aos concorrentes, oferecendo uma série de estruturas e garantias que as demais exchanges não têm. Entre elas há uma clearinghouse entre o comprador e o vendedor, com um colateral sendo coletado para cobrir riscos de contraparte. O bitcoin entregue na liquidação do contrato é armazenado pela própria Bakkt, que recebeu uma licença do Departamento de Serviços Financeiros de Nova York para operar como custodiante qualificada para ativos digitais.

Adicionalmente, a ICE contribuiu com 35 milhões de dólares para um fundo de garantia, especialmente destinado à cobertura de eventuais perdas com contratos com bitcoins. É importante ressaltar que certas garantias de liquidação de contratos podem não ser honradas em momentos de grande volatilidade no preço do bitcoin, o que ocorre de tempos em tempos. Há, ainda, uma espécie de seguro contra prejuízos relacionados à ação de hackers, de até 100 milhões de dólares. Atualmente, em caso de roubo de bitcoins, a perda acaba sempre sendo socializada no conjunto de participantes do mercado. O pagamento dos sinistros está assegurado por um sindicato de seguradoras baseado em Londres.

Essa estrutura fornecerá o primeiro ambiente regulamentado de ponta a ponta: o bitcoin será armazenado em um custodiante regulamentado e seus derivativos negociados e ajustados em uma câmara de compensação regulamentada. Isso significa que os investidores terão a

cesso à mesma infraestrutura de alto desempenho, troca de baixa latência e compensação que alimenta muitos dos mercados futuros mais líquidos do mundo.


*Carlos Russo (carlos.russo@transferoswiss.ch) é head de investimentos da Transfero Swiss AG


Leia também

Com a libra, Facebook põe autoridades e bancos em alerta

Blockchain: 30 aplicações inovadoras

A quem interessam as criptomoedas?



Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Bitcoin investidor institucional Bakkt Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Investidores migram de hedge funds para private equity
Próxima matéria
Paradigmas de gestão de crises



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Investidores migram de hedge funds para private equity
Os hedge funds estão perdendo espaço para os fundos de private equity dentro da categoria de investimentos alternativos,...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}