Mike Lubrano

Diretor da gestora Cartica Capital



“Lembro que fiquei impressionado com a coragem dos brasileiros em tentar emplacar o Novo Mercado, recebido, na época, com grande ceticismo. Mas não podia ser diferente. Afinal, o mercado de capitais brasileiro passava por uma profunda crise e, para superar essa situação, precisava buscar algo extraordinário. No começo da década passada, quando a Bolsa quebrava a cabeça para encontrar uma solução para a crise, ela organizou uma reunião fechada com investidores locais e estrangeiros, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o International Finance Corporation (IFC), e CEOs e CFOs de grandes companhias. Não esqueço o que Armínio Fraga, então presidente do Banco Central, disse aos investidores: ’Um dia, vocês voltarão aqui e verão que muitas das queixas que fizeram hoje não existirão mais’. Ele estava certo.”


Quer continuar lendo? hoje

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  mercado internacional bolsa de valores Governança Corporativa Novo Mercado Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Nick Robinson
Próxima matéria
Nova renda fixa?



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Nick Robinson
"Há dez anos, o mercado de capitais mexicano tinha praticamente o mesmo tamanho do brasileiro, hoje, porém, ele representa...