O mico da Agrenco está cada vez mais próximo

20/5/2014



Na semana passada, a CVM suspendeu o registro da Agrenco Limited. A companhia está há mais de um ano sem cumprir suas obrigações periódicas – o último balanço anual foi publicado em 2012.

Agora, um novo prazo começa a contar para a Agrenco. Se ficar suspensa por um ano, seu registro de companhia aberta será definitivamente cancelado.

Desde o ano passado, quando foi decretada a falência das subsidiárias brasileiras da Agrenco — companhia oficialmente sediada em Bermudas, apesar de seus negócios estarem concentrados por aqui —, seus BDRs estão suspensos do pregão. De acordo com a Economatica, a última cotação do papel, em agosto de 2013, apontava R$ 0,16.

A suspensão dos negócios “ilhou” os acionistas. Quem tinha o papel ficou sem ter como e onde vendê-lo. Se o cancelamento se confirmar, a situação ficará ainda pior. Esses investidores ficarão com um naco de uma companhia de capital fechado, sem liquidez e na bancarrota.

O mico, como se diz na gíria do mercado, poderá afetar quase 6 mil acionistas. De acordo com o último formulário de referência divulgado pela Agrenco, em outubro do ano passado, compunham a base acionária 5.834 pessoas físicas e 55 pessoas jurídicas (estão incluídos neste grupo os fundos e clubes de investimentos).


Quer continuar lendo? hoje

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CVM CAPITAL ABERTO mercado de capitais Agrenco mico blog da redação cancelamento de registro suspensão Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Webinar sobre a Instrução 547 da CVM
Próxima matéria
Incentivo à listagem de empresas médias: estamos no rumo certo?



1 comentário

May 22, 2014

É muita ingenuidade do investidor comprar ações de uma empresa sediada em um paraíso fiscal, onde a garantia regulatória inexiste. Fica a lição.



Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Webinar sobre a Instrução 547 da CVM
No último dia 14 de maio, participei de um webinar sobre a Instrução 547 da CVM, que torna possível a divulgação...